{Resenha} Talvez Um Dia

sexta-feira, 24 de março de 2017

Talvez Um Dia
Sinopse
"Sydney acabou de completar 22 anos e já fez algo inédito em sua vida: socou a cara da ex- melhor amiga. Até hoje, ela não podia reclamar da vida. Um namorado atencioso, uma melhor amiga com quem dividia o apartamento... Tudo bem, até Sydney descobrir que as duas pessoas em quem mais confiava se pegavam quando ela não estava por perto. Até que foi um soco merecido. Sydney encontra abrigo na casa de Ridge. Um músico cujo talento ela vinha admirando há um tempo. Juntos, os dois descobrem um entrosamento fora do comum para compor e uma atração que só cresce com o tempo. O problema é que Ridge tem uma namorada, e a última coisa que Sydney precisa agora é se transformar numa traidora."
O Que Achei
A primeira coisa que tenho a dizer sobre esse livro é: Músicas

Eu amo música, amo cantar, amo dançar, tudo que tem relação com música eu estou amando. E com o livro não foi diferente. Achei sensacional essa ideia de produzir músicas para serem ouvidas durante a leitura. Não sei se isso já tinha acontecido antes, mas eu simplesmente amei!

É claro, pra mim, o livro tem algumas ressalvas, mas a história no geral tem alguns ensinamentos ótimos, apesar dos clichês. Mas é difícil esses romances não possuírem clichês, né? E não considero isso algo negativo também.

Bom, Sydney vive em um namoro por comodismo e logo de início descobre que sua melhor amiga está tendo um caso com seu namorado. Ela acaba saindo de casa e fica sem ter pra onde ir. Seu vizinho do prédio da frente, que ela tem uma "quedinha platônica", acaba a hospedando. Pra vocês entenderem melhor, Sydney todo dia sentava na sacada de seu apartamento para ouvi-lo tocar violão no mesmo horário. Mal ela sabia que ele também estava ali por ela.
♪ "And if I can't be yours now
I'll wait here on this ground
Til you come, til you take me away
Maybe someday
Maybe someday" ♪

{Resenha} A Maldição do Vencedor

quarta-feira, 22 de março de 2017

A Maldição do Vencedor


Sinopse
"Kestrel quer ser dona do próprio destino. Alistar-se no Exército ou casar-se não fazem parte dos seus planos. Contrariando as vontades do pai - o poderoso general de Valória, reconhecido por liderar batalhas e conquistar outros povos -, a jovem insiste em sua rebeldia. Ironicamente, na busca pela própria liberdade, Kestrel acaba comprando um escravo em um leilão. O valor da compra chega a ser escandaloso, e mal sabe ela que esse ato impensado lhe custará muito mais do que moedas valorianas. O mistério em torno do escravo é hipnotizante. Os olhos de Arin escondem segredos profundos que, aos poucos, começam a emergir, mas há sempre algo que impede Kestrel de tocá-los. Dois povos inimigos, a guerra iminente e uma atração proibida... As origens que separam Kestrel de Arin são as mesmas que os obrigarão a lutarem juntos, mas por razões opostas. A Maldição do Vencedor é um verdadeiro triunfo lírico no universo das narrativas fantásticas. Com sua escrita poderosa, Marie Rutkoski constrói um épico de beleza indômita. Em um mundo dividido entre o desejo e a escolha, o dominador e o dominado, a razão e a emoção, de que lado você permanecerá?"
O Que Achei
"Ela inspirou o ar frio e quis ser como aquele sopro: uma pureza implacável e gélida." -Kestrel
Kestrel quer ser dona do próprio destino. E isso contraria diretamente a ordem de seu pai, um poderoso general valoriano, que diz que ela precisa casar-se ou entrar para o exército. A garota rebelde conquista o leitor com sua astúcia e perspicácia. Por que ela precisa ser uma coisa ou outra? Kestrel quer fazer suas próprias escolhas.

Nessa busca por liberdade, Kestrel acaba caindo em um leilão de escravos. E depois de pagar um preço altíssimo, sai de lá com Arin, um escravo cujos olhos escondem segredos profundos, que ela jamais imaginara.

{Resenha} Victoria e o Patife

segunda-feira, 20 de março de 2017


"Neste romance histórico juvenil, acompanhamos a trajetória de Victoria. Criada pelos tios na Índia, ela é enviada a Londres aos 16 anos para conseguir um marido. Mas é na longa viagem até a Inglaterra que a jovem encontra o amor, na figura de Hugo Rothschild, o nono Conde de Malfrey. Tudo estaria ótimo se não fosse a insuportável interferência do capitão Jacob Carstairs. Por que ele não pode confiar na escolha de Victoria? Por que ele não a deixa em paz? Estaria Hugo escondendo algo?"
Se você procura uma história leve e fofa para passar o tempo, Meg Cabot nunca decepciona. E as pequenas nuances de empoderamento feminino nesse romance histórico juvenil, só vieram agregar à narrativa sempre gostosa da autora.