{Resenha} Filha das Trevas

quarta-feira, 21 de junho de 2017

Deuses e Monstros - Filha das Trevas



Sinopse

"Ari se sente perdida e solitária. Com olhos azul-esverdeados e cabelos prateados esquisitos, que não podem ser modificados nem destruídos, sempre chamou a atenção por onde passava. Depois de crescer em casas adotivas, tudo o que quer é descobrir de onde veio e quem ela é. Em sua busca por respostas, encontra uma mensagem escrita pela mãe morta há muito tempo: fuja. A garota percebe que precisa voltar para o local de seu nascimento, Nova 2 — a cidade luxuosa, que foi inteiramente remodelada —, em Nova Orleans. Lá, ela é aparentemente normal. Mas cada criatura que encontra, por mais mortal ou horrível que seja, sente medo dela. Ari não vai parar até desvendar os mistérios de sua existência. No entanto, algumas verdades são terríveis e assustadoras demais para serem reveladas."
O Que Achei

A história, ambientada em uma Nova Orleans devastada pelo Furacão Katrina, segue os passos de Ari, uma garota de dezessete anos, órfã, na busca por seus pais biológicos.

Com olhos azuis-esverdeados e cabelos que caem em uma cascata de incomuns fios prateados, Ari sempre soube que era diferente. O que ela descobre agora, é que sua bizarrice está longe de estar completa. Ela é apenas mais uma, de uma longa fila de mulheres em sua família, destinada a morrer aos 21 anos graças a uma maldição.

Deuses e Monstros - Filha das Trevas

Determinada a não encontrar o mesmo fim que as outras, Ari se aventura em Nova 2, um centro de acolhimento do que resta da destruída Nova Orleans, onde ela encontra uma série de inesperados - e nada convencionais - amigos.
"É assim que Alice deve ter se sentindo quando caiu na toca do coelho."
Em um mercado saturado de fantasias jovem-adulto que seguem um mesmo padrão, o sucesso de uma nova obra se resume à capacidade do autor de estabelecer novas ideias em um universo comum. Kelly Keaton usa a mitologia grega, e transforma um livro que poderia, facilmente, ser ‘mais do mesmo’ em uma obra complexa e surpreendente.
"O golpe parou na metade, o sujeito lançou um olhar para o sangue que brotava do ferimento. E, em seguida, seus olhos insanos encontraram os meus. Ele sorriu."
Misturando deuses gregos com vampiros, metamorfos e bruxos, a autora promoveu um encontro que funcionou surpreendentemente bem. O uso da mitologia grega e alguns de seus personagens amplamente conhecidos é criativo e imersivo, dando ao romance uma sensação nova e sedutora.
"-E nesse caso você seria o que?-Boa pergunta. - Ele inclinou a cabeça para me fitar. Um sorriso lento tomou conta dos seus lábios. - A função de rei deve ser um tanto entediante. Prefiro... consorte da rainha."
Por meio de uma narrativa em primeira pessoa, leve e fluida, Keaton mantém o status de Ari no centro do enredo. Com vários tipos de seres sobrenaturais representados, o leitor fica o tempo todo intrigado sobre o segredo de sua existência, configurando esse e outros mistérios que sustentam da trama.

Sucinto e bem delineado, A Filha das Trevas é uma leitura rápida e com originalidade suficiente para mantê-lo atento aos lançamentos dos próximos volumes da série.

Nota
Sentimento
Notacórnio


Val

Comente com o Facebook:

Nenhum comentário:

Postar um comentário