{Resenha} Rio de Tinta

quarta-feira, 26 de abril de 2017



"A roseira que cresce na beirada do rio e o barulho de um corpo batendo contra a água, muitos metros abaixo da pon¬te, assombram seus pensamentos durante a noite. Entre flashbacks, psicólogos, desenhos deixados para trás e uma morte ocorrida em circunstâncias misteriosas, Ally Clouds começa a descobrir quem ela realmente é e qual das pessoas ao seu redor está mentindo. A Nova Zelândia é encantadora, cheia de magia e de pessoas de bom coração; ninguém jamais suspeitaria de nada acon¬tecendo por ali. Ninguém a não ser Michael Orhan. Ele sabe que há algo errado com a vida de Ally, e, mesmo contra a vontade dela, aproxima-se novamente depois de ela passar oito meses estudando em casa, devido a acontecimentos desafortunados. A mística casinha depois da ponte que passa logo acima do rio torna-se o único refúgio dos dois. Sem perceber, acabam sendo arrastados para dentro de algo ainda mais profundo do que o esperado. Ela não sabia que a proximidade de Michael traria graves revelações a ponto de ter de repensar sua vida. Do pior jeito possível, ela aprende que as pessoas nem sempre são o que parecem, e que as suas feridas jamais cicatrizariam completamente."
"Ela é um mundo inteiro e nem se dá conta." -Michael
Sabe, depois de ler várias resenhas de Rio de Tinta, eu já estava para lá de curiosa sobre esse livro. Não apenas por ser tratar de uma autora nacional de apenas 17 anos, mas, principalmente, porque ela assina um gênero que é o meu favorito: a fantasia jovem-adulto.

Quando um incidente estranho, ocorrido na escola, obriga Ally Clouds a se afastar, a menina se fecha em um mundo de cores. Para superar o fim de um relacionamento conturbado, a morte da mãe e a relação conflituosa com o pai, Ally está reclusa em um espaço aquarelado, que pode se tornar prejudicial quando se está sozinha.
Ally é linda e doce, e gosta de expressar seus sentimentos e sensações através da arte, espalhando figuras coloridas pelas ruas da cidade. Ninguém parece entendê-la. Ninguém se esforça para isso. Para os moradores da pacata cidade onde moram é mais fácil tratá-la como uma aberração. Exceto por Michael Orhan.


Michael é diferente. Ele chega de mansinho, oferecendo algumas caronas a Ally e pouco a pouco sua amizade. A medida que esse relacionamento se desenvolve, acompanhamos, gradativamente, o nascimento de um lindo romance. Michael é um ponto de apoio emocional que Ally precisa. É uma explosão de cores para a qual ela não estava preparada. Ally mostra seu refúgio a Michael, e, a partir daí, os dois embarcam em uma viagem de mistérios e fantasia.
"Pode imaginar quão maravilhoso sentir isso? É quase uma insanidade." -Michael
Não quero entrar em detalhes, porque foi lindo descobrir, página por página, toda a evolução do universo utópico criado pela autora. Os capítulos alternados entre Ally e Michael são calcados por sutileza, ao mesmo tempo que toca a alma do leitor. Senti alguns traços semelhantes ao melhor da escrita de Colleen Hoover.

A profunda beleza e a ternura retratadas na capa antecipam os belíssimos traços da escrita de Ana Lattaruli. Pautado por linhas poéticas, Rio de Tinta é uma obra de arte transcrita em letras e trechos notáveis, que leva o leitor a uma dimensão inimaginável de magia e sonhos. Altamente recomendado!



Comente com o Facebook:

Nenhum comentário:

Postar um comentário