{Resenha} O Lado Mais Sombrio

sexta-feira, 31 de março de 2017

"Alyssa Gardner ouve os pensamentos das plantas e animais. Por enquanto ela consegue esconder as alucinações, mas já conhece o seu destino: terminará num sanatório como sua mãe. A insanidade faz parte da família desde que a sua tataravó, Alice Liddell, falava a Lewis Carroll sobre os seus estranhos sonhos, inspirando-o a escrever o clássico Alice no País das Maravilhas. Mas talvez ela não seja louca. E talvez as histórias de Carroll não sejam tão fantasiosas quanto possam parecer. Para quebrar a maldição da loucura na família, Alyssa precisa entrar na toca do coelho e consertar alguns erros cometidos no País das Maravilhas, um lugar repleto de seres estranhos com intenções não reveladas. Alyssa leva consigo o seu amigo da vida real – o superprotetor Jeb – mas, assim que a jornada começa, ela se vê dividida entre a sensatez deste e a magia perigosa e encantadora de Morfeu, o seu guia no País das Maravilhas. Ninguém é o que parece no País das Maravilhas. Nem mesmo Alyssa."
Inspirado nas histórias de Alice, de Lewis Carroll, "O Lado Mais Sombrio" é o primeiro livro da trilogia Splintered e conta a história de uma das descendentes de Alice, Alyssa, que é fadada à uma maldição assim como todas as mulheres de sua linhagem direta. Mas, mais do que uma releitura ou uma continuação da história, a obra é um mix de ambas, um amadurecimento de certas características transformados em uma obra original.

Alyssa é tataraneta de Alice e como todas as suas antepassadas ela começou a ouvir as plantas e os insetos. Considerando o histórico de sua família e o fato de sua mãe ter sido internada em um sanatório por seus surtos, Alyssa resolve esconder suas alucinações de seu pai e de seu melhor amigo Jeb. Mas, depois de um episódio em uma visita à sua mãe, das aparições de uma mariposa e das lembranças de um garoto de sua infância, Alyssa resolve explorar mais a história de sua família, descobrindo que foram amaldiçoadas.
“Coleciono insetos desde os dez anos, foi o único jeito que encontrei de silenciar seus sussurros.” - Alyssa
Para tentar salvar sua mãe e a si, Alyssa resolve entrar na toca do coelho e desfazer os erros que sua tataravó cometeu, libertando sua família. Ela só não esperava que Jeb fosse acabar caindo lá com ela. Sem ter como sair, Alyssa segue as instruções de Morfeu, seu guia no País das Maravilhas, passando por várias provações e sendo perseguida pelo exército da Corte Vermelha. Ela só não imaginava que ficaria dividida entre o amor seguro de seu amigo e o mistério, perigo e sedução de Morfeu.
“Misterioso. Rebelde. Problemático. Todas as qualidades que as mulheres acham irresistíveis.” - Morfeu
O mundo do País das Maravilhas reconstruído por A.G Howard é fantástico. Todos os personagens são modificados, paisagens e características exóticas, dando um ar mais sombrio e, ouso dizer, até mais maluco do que o da história original. Até mesmo a explicação entre as conexões do "real" País das Maravilhas e do contado por Carroll, foi feita de uma forma mais do que satisfatória. Alyssa é uma protagonista destemida, mas ao mesmo tempo luta contra o costume de sempre ter a ajuda dos outros. Em alguns momentos ela acaba se vitimizando e é Morfeu que tenta mostrar e atiçar nela a força e a independência que ela sabe que possui. Enquanto isso, Jeb faz de tudo para mostrar a Alyssa seu amor, protegendo-a de todas as formas possíveis. Resta a Alyssa descobrir se ela quer se arriscar e abraçar sua loucura interior ou se confortar na segurança do que já conhece.

Eu tenho paixão por Contos de Fadas e adoro ver a reconstrução deles. Esse livro supriu minhas expectativas. Mas, então qual o motivo das 4,5 estrelas? Bom, o livro tem uma velocidade ótima, a sequência não é cansativa e não tem enrolação, mas senti que nos dois ou três últimos capítulos a velocidade foi tanta que poderia ter sido mais bem construído. Além da resolução de um acontecimento, entre Alyssa e Morfeu no final, ter sido um pouco apressado também. Na mesma hora que ela está com raiva ela já muda, sem uma construção do motivo dessa mudança. Isso me incomodou um pouco.

Ainda estou avaliando colocar como favorito ou não. Mas tem grandes chances de isso acontecer! Não vejo a hora de pegar o segundo livro na prateleira!

Quem já leu, o que achou? Quem não leu, tem vontade?

#teamMorfeu
“Você chora por ele, mas sangra por mim.” - Morfeu

Comente com o Facebook:

6 comentários:

  1. Já li algumas críticas sobre esse livro e tenho vontade de ler, ainda que Alice não seja minha história favorita...
    Beijos
    Mari
    www.pequenosretalhos.com

    ResponderExcluir
  2. Já amei. Adoro Alice no País das Maravilhas e acho incrível como Carroll criou um universo que apesar de poucos livros livros até hoje ainda faz escritores criarem várias obras que se conectam com ele, inspirações maravilhosas. Vou adicionar na minha lista.

    Bites!
    Tary Belmont

    ResponderExcluir
  3. Li esse livro em 2015 se não me engano então não lembro muito bem dos detalhes. Mas lembro que na época eu adorei o livro, principalmente a forma como a autora transformou o País das Maravilhas o tornando mais interessante.
    Espero que goste do segundo livro da trilogia, li ele esse ano e infelizmente não gostei tanto quando esperava, mas ainda assim, o País das Maravilhas continua maravilhoso ♥

    ResponderExcluir
  4. Gostei bastante desse livro e da maneira que a autora desenvolveu a história. O final me deixou boquiaberta não espera por aquela revelação. Ainda não li os demais livros, mas espero gostar tanto quanto ou mais.

    ResponderExcluir
  5. Meu Deus, fiquei SUPER curiosa pra ler! E olhe que eu tenho verdadeiro ABUSO de Alice no País das Maravilhas hahaha parece uma interpretação muito mais interessante do que o livro original.

    www.coadjuvando.com.br

    ResponderExcluir
  6. Também amo livros de contos de fadas ou que os recontam. Esse é um que eu quero ler há séculos mas nunca comprei hahaha.
    Bom saber que tu gostou tanto.
    Beijo

    ResponderExcluir