{Resenha} A Fúria e a Aurora

segunda-feira, 10 de abril de 2017

"Personagem central da história, a jovem Sherazade se candidata ao posto de noiva de Khalid Ibn Al-Rashid, o rei de Khorasan, de 18 anos de idade, considerado um monstro pelos moradores da cidade por ele governada. Casando-se todos os dias com uma mulher diferente, o califa degola as eleitas a cada amanhecer. Depois de uma fila de garotas assassinadas no castelo, e inúmeras famílias desoladas, Sherazade perde uma de suas melhores amigas, Shiva, uma das vítimas fatais de Khalid. Em nome da forte amizade entre ambas, Sherazade planeja uma vingança para colocar fim às atrocidades do atual reinado.  Noite após noite, Sherazade seduz o rei, tecendo histórias que encantam e que garantem sua sobrevivência, embora saiba que cada aurora pode ser a sua última. De maneira inesperada, no entanto, passa a enxergar outras situações e realidades nas quais vive um rei com um coração atormentado. Apaixonada, a heroína da história entra em conflito ao encarar seu próprio arrebatamento como uma traição imperdoável à amiga.  Apesar de não ter perdido a coragem de fazer justiça, de tirar a vida de Khalid em honra às mulheres mortas, Sherazade empreende a missão de desvendar os segredos escondidos nos imensos corredores do palácio de mármore e pedra e em cenários mágicos em meio ao deserto."

Baseado nos contos antigos de As Mil e Uma Noites, esse romance de Renée Ahdieh é arrebatador! Essa duologia, narrada em terceira pessoa, traz um tom moderno, mais jovial e romântico aos contos árabes datados dos séculos VIII à XV.
"Uma centena de vidas por aquela que você tirou. Uma vida a cada aurora. Se você falhar uma única vez, eu lhe arrancarei seus sonhos. Vou tirar sua cidade de você. E lhe subtrairei essas vidas, milhares de vezes."
Sherazade tem uma missão: matar o "Rei dos Reis", e para isso ela deve se casar com ele, sobreviver à aurora e descobrir suas fraquezas. O que não é uma missão fácil, já que o jovem rei de apenas 18 anos, tem um passado recente sanguinário. Todos os dias ele desposa uma nova garota e tira sua vida ao alvorecer, sem nenhum motivo aparente. E uma dessas garotas foi a melhor amiga de Sherazade.

Para conseguir alcançar seu objetivo, Sherazade tem a ideia de contar ao califa histórias, que fazem com que ele fique curioso ao ponto de deixá-la viver mais um dia. Mas ela não sabe quais consequências serão acarretadas por seus planos, nem quais sentimentos ela poderia despertar nela e nas pessoas ao seu redor.
"Nada, nem o sol, nem a chuva, nem a estrela mais brilhante no céu mais escuro, pode se comparar à maravilha que você é" - Khalid
Durante sua saga, Sherazade conta com a ajuda de Jalal, o Rajput e Despina, funcionários do palácio, mas também desperta a curiosidade e o ódio em pessoas que ela não gostaria de ter como inimigas. Ao mesmo tempo que vemos Sherazade desenterrar segredos e se aproximar ainda mais do califa atormentado, também acompanhamos Tariq, o namorado de infância de Sherazade, em sua busca para salvar sua amada. Tariq é um garoto intempestivo e audacioso, que vai se juntar com quem quer que seja para salvar a vida de Sherazade, contando com o apoio do pai dela e de seu melhor amigo Rahim.


Renéé conseguiu criar personagens fortes e carismáticos. Sherazade é mais uma da leva de mocinhas emponderadas e seguras que temos o prazer de ver atualmente. Ela não espera ser salva, é audaciosa, corajosa e firme em suas convicções, além de ter uma língua venenosa. Mesmo quando sentimentos mais fortes começam a despertar, ela briga internamente com eles, para tentar se manter firme com seu objetivo. Khalid é uma preciosidade, o tipo de personagem masculino que eu amo. Atormentado, consciente de suas ações maldosas, mas ainda assim decidido a manter suas escolhas. Já Tariq nãome cativou, achei que ele parece um dramalhão de novela mexicana, mais um pra leva de mocinhos chatos e insistentes. Espero que eu mude de opinião em algum momento do desfecho da duologia.
"Algumas coisas existem em nossa vida apenas por um breve instante. E nós as devemos deixar seguir para iluminar outro céu." - Omar
Os personagens secundários são uns amores. É fácil gostar de Despina, Jalal, o Rajput e Rahim. Eles têm senso de humor, ironia e línguas afiadas peculiares. O único que não gostei nem um pouco foi o pai de Sherazade. Mas sobre isso não posso falar muito.

Sobre a edição do livro eu tenho algumas observações. Inicialmente, achava a capa original mais bonita que a nossa, mas acabei percebendo que gosto mais da criação da GloboAlt no fim das contas. O problema é, acho que eles foram um pouco descuidados na tradução da obra, vi muitas palavras erradas durante a leitura, que inclusive mudam o sentido do texto. Achei algumas conexões de contexto falhas, coisas que quando fui procurar no original, achei incrivelmente superior. Tinha inclusive achado que era uma falha na escrita de Renée, mas depois de pesquisar descobri que não foi o caso.
"- O que você estáfazendo comigo, sua praga? - ele sussurrou.
- Se sou uma praga, então você devia se manter à distância, a não ser que planeje ser destruído.
- Não.- As mãos agora na sua cintura - Destrua-me." - Sherazade e Khalid
Apesar de ter percebido que pode ter sido uma falha de tradução, ainda acho que certas cenas e diálogos foram extremamente simples no início, detalhe que foi melhorando consideravelmente com o andar do livro. A escrita de Renée é romântica num ponto ótimo, sem ser extremamente difícil, poética ou rebuscada durante todo o tempo. É uma leitura leve, com ação na medida certa. Com certeza indico. Tirei meia estrela da nota apenas por essa questão de simplicidade e tradução, mas marquei como favorito!
"É um castigo merecido para um monstro. O de querer tanto algo... de ser capaz de tê-lo em seus braços... e saber sem sombra de dúvida que nunca vai merecê-lo." - Khalid
Venha se apaixonar pela arábia, Sherazade e Khalid você também! Mas se segura que o cliffhanger é de doer o coração!



Comente com o Facebook:

15 comentários:

  1. Gostei REAL do jeito como você escreveu a resenha! Ficou super completa e super gostosa de ler. Achei interessante a autora ter revivido As Mil e Uma Noites, que é uma história que não chama a atenção de ninguém há algum tempo. Eu li o primeiro volume do original, mas achei os contos tão repetitivos e cansativos que ainda não tive coragem de ler o último, mas lembro que entre um conto e outro eu sempre quis saber mais sobre o que acontecia pelos corredores do palácio, com os outros personagens, etc. Aparentemente, Renée conseguiu fazer isso. Fiquei curiosa para ler o livro, mas é desanimador saber que tem erros na tradução D: Vou colocar o original na lista!
    Sentimentaligrafia

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Tenho certeza que você vai adorar!!! Que bom que você gostou da resenha! Fico bem feliz mesmo, porque dá um trabalhão! hahaha Eu nunca li As Mil e Uma Noites, mas sempre tive curiosidade, talvez agora com essa introdução pelo YA eu até anime a dar uma lida. Coloca na lista sim e depois me conta o que achou!

      Excluir
    2. Ah esqueci de comentar, os erros são passáveis. Nada extremamente gritante, mas acho que a versão em inglês dá um tom melhor pra algumas partes e falas :)

      Excluir
  2. Uma versão YA para as Mil e Uma Noites me parece uma ótima ideia para cativar leitores iniciantes e estimulá-los ao desafio de um clássico milenar. Fiquei curiosa por essa repaginada!

    www.coadjuvando.com.br

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. E foi uma boa repaginada! Tenta ler e depois me conta o que achou! :D

      Excluir
  3. Achei legal essa inspiração para criar uma história para um publico mais jovem, mas não sei se a história me conquistou. Mas quem sabe né.Acho que só dando uma chance para saber.

    Blog Profano Feminino

    ResponderExcluir
  4. Esse livro parece ser bem interessante. Apesar de não costumar ler livros muito românticos fiquei com vontade de ler esse.
    O que desanima um pouco é isso que você disse sobre a tradução, é bem chato quando parece que a editora não deu a devida atenção para o livro...
    Só espero que tenha um ótimo motivo para explicar o porque do Khalid matar as mulheres toda noite. As vezes os autores gostam de romantizar as atitudes terríveis de personagens masculinos e é esse o meu receio. Mas vou dar uma chance para o livro.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Pode ir com fé que a explicação é boa sim! É lógico que continua sendo uma atitude abominável, mas lendo você entende o que quero dizer...
      Olha, eu sou mais chata pra traduções porque tenho o costume de ler em inglês, então pode ser que você nem se incomode, porque não é uma coisa horrível sabe? Perde mais em sentido/sentimento do que realmente em ser um desleixo. Vale super a pena ler!

      Excluir
  5. Eu me lembro de ter lido uma versão infantil de As Mil e Uma Noites quando era criança e de ter amado e, como amo um bom cliffhanger, A Fúria e Aurora já entrou para a minha lista de próximas leituras! (mesmo com os probleminhas na tradução)

    Beijos, Ju!
    http://naosepreocupecomisso.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Leia sim!!! O cliffhanger é de morrer chorando! E as falhas na tradução são pequenas e mais em questão de sentido/sentimento do que desleixo. É que como tenho o costume de ler em inglês sou mais chata com essas coisas. Mas não deixa de ser um livro muito maravilhoso!

      Excluir
  6. Comecei a ler esse livro, mas assim que descobri que era o triangulo amoroso acabei desistindo.
    Gostei muito da sua resenha, quem sabe tente ler novamente. :)

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Biaaaaa, posso te chamar assim? Não é triângulo!!!! Vai na fé que você vai ver que o triângulo é inexistente! :D
      Tenta de novo!

      Excluir
  7. Eu já estava doida para ler esse livro, depois da tua resenha já estou com o livro no carrinho para comprar! ahaha

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obaaaa!! E se eu fosse você já comprava o 2 também, porque se não você vai surtar!!! HAHAHAHA o final é OMG!!! <3

      Excluir