{Resenha} A Maldição do Vencedor

quarta-feira, 22 de março de 2017

A Maldição do Vencedor


Sinopse
"Kestrel quer ser dona do próprio destino. Alistar-se no Exército ou casar-se não fazem parte dos seus planos. Contrariando as vontades do pai - o poderoso general de Valória, reconhecido por liderar batalhas e conquistar outros povos -, a jovem insiste em sua rebeldia. Ironicamente, na busca pela própria liberdade, Kestrel acaba comprando um escravo em um leilão. O valor da compra chega a ser escandaloso, e mal sabe ela que esse ato impensado lhe custará muito mais do que moedas valorianas. O mistério em torno do escravo é hipnotizante. Os olhos de Arin escondem segredos profundos que, aos poucos, começam a emergir, mas há sempre algo que impede Kestrel de tocá-los. Dois povos inimigos, a guerra iminente e uma atração proibida... As origens que separam Kestrel de Arin são as mesmas que os obrigarão a lutarem juntos, mas por razões opostas. A Maldição do Vencedor é um verdadeiro triunfo lírico no universo das narrativas fantásticas. Com sua escrita poderosa, Marie Rutkoski constrói um épico de beleza indômita. Em um mundo dividido entre o desejo e a escolha, o dominador e o dominado, a razão e a emoção, de que lado você permanecerá?"
O Que Achei
"Ela inspirou o ar frio e quis ser como aquele sopro: uma pureza implacável e gélida." -Kestrel
Kestrel quer ser dona do próprio destino. E isso contraria diretamente a ordem de seu pai, um poderoso general valoriano, que diz que ela precisa casar-se ou entrar para o exército. A garota rebelde conquista o leitor com sua astúcia e perspicácia. Por que ela precisa ser uma coisa ou outra? Kestrel quer fazer suas próprias escolhas.

Nessa busca por liberdade, Kestrel acaba caindo em um leilão de escravos. E depois de pagar um preço altíssimo, sai de lá com Arin, um escravo cujos olhos escondem segredos profundos, que ela jamais imaginara.

A Maldição do Vencedor

Numa trama regada por personagens enigmáticos e valentes, vale ressaltar que, apesar dos impasses iniciais, Kestrel é minha personagem preferida no livro. Nossa protagonista é fria e calculista. E não veja isso como pontos fracos da garota, pelo contrário, é o que fazem dela uma mulher destemida e determinada na busca por aquilo que acredita.
"A felicidade depende de ser livre", o pai de Kestrel sempre dizia "e a liberdade depende de ter coragem." - Kestrel
A música é o elemento que une Arin e Kestrel, e transporta o leitor para além da ambição e vingança que regem a história. Kestrel não deveria tocar, já que este é um trabalho destinado aos escravos. E embora tenha sido vendido por sua bela voz, Arin se recusa a cantar, pois traz à memória do escravo lembranças de outros tempos, de uma vida em que tudo era diferente do que é agora. A tensão que, a princípio, é o que norteia o relacionamento entre eles, aos poucos desaparece, dando lugar a afeição que surge gradativamente entre ambos, apesar de suas realidades distintas.
"Quando ele falou, sua voz era como a música que ele tinha pedido para ela tocar." - Kestrel
Dois povos inimigos e sua luta pelo poder. Marie Rutkoski nos convida a navegar por sua narrativa fantástica, e, através de uma trama complexa e bem orquestrada, entender como a cobiça de alguns pode destruir nações inteiras.
Nota
Sentimento

Notacórnio

Val

Comente com o Facebook:

Nenhum comentário:

Postar um comentário